Estou grávida, e agora, por onde começar??

Eu sei, são tantas informações diferentes que a gente fica confusa sem saber qual orientação seguir…

Comece buscando informações sobre parto, cenário obstétrico na sua cidade, frequente grupos de gestantes (em sua maioria gratuitos, e atualmente muitos online), se possível busque uma doula, movimente seu corpo (spinning babies, yoga, pilates, sempre com profissionais especializados em gestantes), se informe bastante também sobre amamentação, exterogestação e puerpério, ainda na gestação!

Pra facilitar a sua vida e liberar tempo para que você foque na sua gestação de fato, e preparação para o parto e pós-parto, vou compartilhar literalmente TUDO que eu planejei para o meu enxoval, de forma objetiva e prática. Aos poucos vou atualizando o post com o que comprei que ficou faltando, ou sobrando.

A maioria dos itens incluem também links para os fornecedores que eu escolhi e/ou recomendo. Muitos deles permitem a criação de listas ou compra de cartões-presente, facilitando que você possa organizar seu chá de bebê online (a pandemia ainda não acabou, e gestantes são grupo de risco!), e sem as altas comissões dos sites tradicionais 😉 (eu criei um perfil gratuito no linktr.ee para consolidar todos os links)

Bom proveito!

Higiene

Fraldas:

  • Eu optei por utilizar fraldas de pano, que considero mais saudáveis para a pele sensível do bebê e também mais econômicas a longo prazo. Recomendo ter 16-18 fraldas diurnas + 4-6 noturnas. As que eu escolhi podem ser usadas somente a partir de 3,5kg, então comprei também 2 pacotes RN de fraldas descartáveis para usar nos primeiros dias. Sugiro ter também 1-2 capas para praia/piscina (opcional)
  • Caso prefira utilizar fraldas descartáveis, evite estocá-las em muita quantidade antes do bebê nascer, para que você possa testar se ele vai se adaptar bem à marca que você escolheu. Fique tranquila que as farmácias continuarão entregando após o seu parto 😅
  • Lixeira grande com pedal e tampa + 1-2 sacos impermeáveis, para ir acumulando as fraldinhas sujas até lavar (ou saco de lixo, no caso das descartáveis). Uma dica é escolher uma lixeira com boa vedação, para evitar que dê mau cheiro e atraia insetos.
  • Não comprei kit de potinhos, lenços umedecidos (podem causar alergia, vamos usar somente algodão e água morna) nem dezenas de pomadas para troca de fraldas (você vai usar somente se tiver assadura, conforme orientação do seu pediatra, não é necessário passar a cada troca)
  • Trocador (eu acabei comprando uma banheira com trocador e suporte para usar como trocador, pois optei por não colocar cômoda). Outra opção é não ter trocador e trocar o bebê direto na sua cama. A vantagem é que diminui o risco de quedas, e a desvantagem é sua coluna vai ficar mais sobrecarregada. Considere ter também um extensor para o suporte. Eu tenho 1,65m, meu marido 1,80m, nossa banheira/trocador originalmente tinha 101,5 cm, e esses 15 cm a mais de altura do extensor salvaram nossas costas!

Banho:

  • Se for dar o banho de higiene no chuveiro, não tem necessidade de comprar banheira. Principalmente nas primeiras vezes, você precisará da ajuda de mais uma pessoa para sair com o bebê do chuveiro e enxugá-lo, mas depois que pegarem o jeito, chuveiro é pura praticidade e vida 🤩
  • Sugiro ter um balde/ofurô para dar um banho relaxante no bebê (opcional). Você pode adquirir um próprio para bebês, ou utilizar um balde convencional, desde que não tenha sobras de plástico por dentro que possam machucar o bebê, e que seja estável o suficiente para não tombar com facilidade (mesmo assim, nunca deixe o bebê sozinho em nenhum tipo de balde ou banheira)
  • Sabonete líquido 2 em 1 (sabonete e shampoo), com pH menor que 7, de preferência glicerinado, e se possível natural

Outros:

  • Água e sabão ou álcool 70% + gaze/cotonete, para limpeza do umbigo (converse com seu pediatra sobre a melhor opção pra vocês)
  • Aspirador nasal (tipo pêra ou de sugar), e uma seringa de 1ml para quando for necessário lavar com soro fisiológico
  • Termômetro para o bebê, pode ser o mesmo que você já tenha em casa (para a banheira não há necessidade, você vai aprender rapidamente a perceber a temperatura com a sua pele)
  • A partir do nascimento dos dentinhos: escova e pasta de dentes com flúor

Roupinhas

Kit de roupinhas que aluguei na Tuga

Ganhamos algumas roupinhas que já estavam circulando na família há gerações. Fora isso, optamos por alugar as demais, assim economizamos recursos naturais, dinheiro, espaço no armário, e meus neurônios, que foram poupados de ter que escolher tudo com antecedência 😅 Recomendo MUITO!

Algumas empresas que oferecem esse serviço: Tuga, iCresci, Circulô

Outras sugestão interessante são as roupinhas extensíveis, que se propõem a crescer junto com o bebê e durar pelo dobro do tempo!

Caso opte por comprar, pense em 6-10 unidades de cada peça (body manga curta, body manga longa, calça, macacão, meias), levando em consideração o clima e se você terá ou não ajuda para lavar as roupas. Não compre muitas peças de cada tamanho, principalmente RN, pois eles perdem muito rápido!

Não é necessário comprar sapatos nem luvas (o bebê está acostumado a brincar com as mãozinhas desde a barriga, e precisa delas também para se familiarizar com o mundo externo). Gorro basta ter 1 para usar na maternidade ou quando estiver muito frio, sempre sob supervisão.

Passeio

Sling:

  • Os carregadores de pano são uma mão na roda para acalmar o bebê (encolhidinho no seu colo) e te dar um pouco mais de praticidade no dia a dia, mesmo em casa. Na imagem abaixo você vê um resumo excelente de um dos fornecedores, e pode escolher o que mais se adapta à sua realidade.
Fonte da imagem: https://www.donachicasling.com.br/

além da postura, observe também se o bebê está com as vias aéreas desobstruídas e o queixinho afastado do peito
  • Os únicos modelos que podem ser usados desde recém-nascido são o wrap sling e o sling de argolas, então sugiro começar por esses. Aqui eu inicialmente escolhi ter 2 wraps (um de sarja cruzada, que dura mais tempo porque suporta mais peso, e um de dryfit, que é mais fresco, maleável e pode ser usado na praia/piscina ou chuveiro) e 1 de argolas (mais prático de amarrar, porém o peso do bebê fica em somente um dos seus ombros)

Mochilas ergonômicas:

  • Os slings são mais recomendados que as mochilas/cangurus, pois permitem um ajuste mais preciso da postura do bebê.
  • Procure informações para ajustar adequadamente o modelo que você escolheu, certamente seu fornecedor vai ter boas orientações no site ou instagram.
  • Caso você não se acerte com a amarração do sling ou prefira uma opção mais prática, busque uma opção ergonômica para o bebê. Sugiro o Ergobaby Omni 360 Cool Air Mesh, próprio para climas mais quentes, e pode ser usado por bebês a partir de 3,2 kg e 50,8 cm até 20 kg (+/- 2 anos de idade), sem a necessidade de adaptador para recém-nascidos, segundo o fabricante. A desvantagem é que, por ser importado, pode ser difícil de encontrar por aqui… Se optar por ele, pesquise no Mercado Livre, ou em grupos de desapego de mães.
  • Uma boa opção nacional são as mochilas evolutivas, porém ao contrário dos slings, elas não podem ser usadas desde recém-nascido. Verifique com cada fabricante o limite mínimo de peso e altura, e se atente aos cuidados para melhor ergonomia do bebê.
  • Devido ao enchimento, as mochilas demoram mais um pouquinho para lavar e secar, então é bom ter uma 2ª opção, que pode ser outra mochila ou um sling. Uma opção intermediária é ter uma mochila um pouco mais compacta.

Outros:

  • Bolsa/mochila prática para você (pode ser uma que você já tenha, não precisa ser específica para bebês)
  • Trocador portátil + bolsinha impermeável (caso utilize fraldas de pano, para armazenar as usadas na mochila) + lencinhos umedecidos (caso precise trocar o bebê em local sem acesso a água)
  • Bebê conforto, para quando precisar sair de carro (não pode ser utilizado para dormir à noite, a recomendação segura para evitar asfixia postural é retirar o bebê a cada 40 minutos). Sugiro ter também um redutor para bebê conforto, para ser usado enquanto o bebê for muito pequenininho (aqui usamos até mais ou menos um mês e meio)
  • Opcional: carrinho. Eu escolhi um modelo guarda-chuva, que cabe em praticamente qualquer mala de carro e acopla o bebê conforto, para quando precisar utilizar uber/táxi (esse conjunto de carrinho + bebê conforto compatível é o chamado travel system)
  • Dica: caso você pretenda usar o carrinho para o bebê dormir, escolha um com a função moisés (são os que deitam ficando totalmente retos, sem nenhum vão que possa deixar a coluna do bebê afundar, para evitar o risco de asfixia postural)

Sono do bebê

Segurança:

A recomendação mais segura para o sono do bebê e prevenção da SMSL (síndrome da morte súbita do lactente) é que o bebê durma de barriga para cima, em colchão firme e no quarto dos pais pelo menos até 1 ano de idade (no mínimo do mínimo, pelo menos até os 6 meses)

Para proporcionar maior qualidade de sono ao bebê (que ainda é um filhotinho indefeso, e precisa se sentir seguro e protegido), e principalmente à mãe que amamenta, e também para favorecer o aleitamento materno exclusivo, o ideal é que mãe e bebê durmam juntinhos. Idealmente, até os primeiros 4 meses de nascido ainda não é recomendado fazer cama compartilhada. No entanto, mesmo sem planejamento, isso é algo que às vezes simplesmente acontece devido ao nosso cansaço no puerpério, então recomendo fortemente que você conheça as regras de segurança, mesmo que a cama compartilhada não seja sua 1ª opção.

Se for comprar berço, independente do tipo escolhido, busque sempre um modelo com selo de aprovação do Inmetro. No caso dos berços tradicionais, com grade nas laterais, elas devem ser fixas e com o espaço entre as ripas de acordo com as regulamentações atualizadas do órgão

Além do berço e do quarto, ainda têm mais regras de segurança para o sono do bebê! Até os 2 anos de idade, o berço/cama não deve ter lençóis de cobrir (apenas o de forrar o colchão, bem preso), travesseiros, naninhas, protetores de berço, nem nada além do bebê. O uso do famoso charutinho pode ajudar o bebê a se acalmar nos primeiros meses, porém deve ser usado com cautela, sempre com supervisão, e preso sem muita firmeza. Da mesma forma, caso opte por utilizar o ninho, deve ser feito também sempre sob supervisão.

Importante: caso opte por deixar o bebê dormir no seu quarto, nunca, jamais, em hipótese alguma tenha relações sexuais no mesmo ambiente, nem se o bebê estiver dormindo. Mesmo sem ter consciência, a memória do bebê registra, podendo gerar traumas até a vida adulta (além de ser crime)

Minhas escolhas:

  • Bercinho acoplado à cama para as primeiras semana ou meses, até no máximo quando o bebê atingir o peso recomendado pelo fabricante do berço e/ou começar a se sentar sozinho, pois após esse marco, o bercinho deixa de ser uma opção segura.
  • A partir daí vamos seguir com a cama compartilhada, que pode ser feita com o colchão diretamente no chão, encostada na parede (desde que sem vãos), ou usando de telas de proteção. Aí vamos observando quais serão as demandas futuras do nosso bebê… Contras: com a tela de proteção é bem mais difícil manter o lençol esticado, o que pode acabar oferecendo riscos ao bebê. Recomendo usar um prendedor para o lençol (e também uma capa impermeável para proteger o colchão de eventuais vazamentos de fraldas). Realidade: a cama compartilhada acabou acontecendo logo no início, felizmente já tínhamos estudado as regras de segurança e deixado as telas de proteção previamente instaladas.
  • Quando o bebê começar a engatinhar, provavelmente vamos optar por colocar o colchãozinho no chão (para favorecer a autonomia e independência do bebê, conforme o método Montessori), ou continuar com a cama compartilhada (para seguir favorecendo a amamentação durante à noite), ou provavelmente uma junção de ambos, que seria colocar o colchão do casal no chão, e dormirmos todos juntos num camão compartilhado montessoriano 🥰 Importante se atentar que o colchão ideal para os bebês (até três anos de idade) deve ser de espuma, e não de molas, e com a densidade adequada (D18).
  • Outro item que considero importante, embora não seja essencial, é a babá eletrônica, para que possamos ficar de olho no sono do bebê mesmo quando formos para outro cômodo. Dentre as infinidades de modelo, você irá encontrar alguns com monitor próprio ou sem (nesse caso ele se conecta com seu celular, porém aí eu ficaria sem poder usar o celular enquanto estivesse vigiando o bebê), com som bidirecional (permite que você fale enquanto está a caminho e já vá tranquilizando o bebê na outra ponta), visão noturna, gravação das imagens, tela touch screen, os que tocam musiquinha ou reproduzem os sons de ruído de fundo para acalmar o bebê, enfim, milhares de opções muito legais, porém que vão encarecendo o produto…. Por aqui escolhi um modelo com monitor próprio, visão noturna e avaliações positivas de outros usuários a respeito do bom alcance do sinal.
  • Optei por comprar também dois sacos de dormir (opcional), um mais fresquinho e um médio (aqui no RJ não vi necessidade de comprar um mais quente), pois ajudam na sensação de acolhimento de forma mais segura que o charutinho, e protegem do frio em caso de necessidade (mais seguro que o lençol pois não oferece risco de asfixia, porém também devemos tomar cuidado para não provocar superaquecimento).

Cama, baba e banho

Ainda vou testar as quantidades que adquiri (depois volto aqui para atualizar o post), mas por ora recomendo o seguinte:

Amamentação

Almofada de amamentação ajudando minha coluna na gravidez. Acervo pessoal. Reprodução proibida.

De mãos dadas com o sling, a almofada de amamentação é a melhor amiga da puérpera! As poltronas podem não ser tão confortáveis, além de serem um trambolho, e por vezes podem ser encaradas como um “cantinho do castigo”, onde você vai passar hoooooras olhando para a mesma parede. Já com a almofada, você pode amamentar na cama, no sofá, na rua/na chuva/na fazenda…

As melhores almofadas de amamentação, na minha opinião, são as da My Brest Friend. São dois modelos diferentes, um menorzinho mais versátil, e o outro maior para gêmeos. O grande diferencial dessa almofada para mim é que além de ser firme, com tira para fixação nas costas e possibilidade de apoiar os braços, ela ainda tem um apoio para lombar maravilhoso! O problema é que ela é importada, então pode ser bem difícil encontrar para venda por aqui, e na maioria das vezes tem um valor de impostos e frete bem alto… Além dos links que marquei acima, você também pode tentar buscar no Mercado Livre ou em grupos de desapego de mães.

Uma boa opção nacional é a almofada da A Mulher que Engoliu o Mundo. Ela é similar à almofada de gêmeos da My Brest Friend, porém não tem o apoio para a lombar. Você pode tentar preencher esse espaço com travesseiros ou almofadas. Se essas opções não forem acessíveis pra você, ainda assim escolha uma boa almofada, firme para que o bebê não afunde, e que você possa ficar numa boa postura.

E mais:

  • Capa extra para a almofada de amamentação, ou cubra com uma toalha sempre que for usar, para proteger de golfadas, leite vazando, fraldas explosivas, etc.
  • Procure também ter sempre por perto uma garrafa de água para você (eu deixo uma de cada lado, nunca sei qual braço estará ocupado rs), carregador portátil, livros, fones de ouvido, controle remoto…
  • Eu gosto de ter também uma almofada para pescoço, daquelas em U para viagem, que uso quando vejo que vou acabar pegando no sono sentada.
  • Se você planeja amamentar seu bebê (as recomendações oficiais são de aleitamento materno exclusivo até os 6 meses, e complementar pelo menos até 2 anos de idade), não compre mamadeira, chupeta, bico de silicone, concha, copo com bico, e não faça nenhuma preparação prévia no seio. Busque cursos de preparação com uma boa consultora de amamentação. Informação de qualidade é tudo que você precisa!
  • Recomendo ter à mão, no seu celular e no dos familiares, na porta da geladeira e no espelho do banheiro o telefone de uma consultora de amamentação e/ou do banco de leite mais próximo. Peça auxílio assim que sentir necessidade, não espere a situação se agravar!

Opcionais:

  • Se houver necessidade de ofertar leite fora do seio, as opções mais seguras para não favorecer o desmame precoce são o copinho de shot/cachaça e a colher dosadora
  • Coletor de leite, para coletar o leite que pode vazar da outra mama enquanto você amamenta
  • Bombinha manual para ordenha, em caso de emergência. A elétrica é uma mão na roda, mas é bem mais cara e pode ser que sua frequência de uso não compense o valor da compra. Pesquise antecipadamente onde alugar bomba elétrica na sua cidade.
  • Frascos para armazenamento de leite ordenhado (frascos próprios para esse uso, ou potes de vidro com tampa de plástico, sempre esterilizados)
  • Tipóia ou “suspeitório”, para sustentar o peso de mamas volumosas durante a amamentação, especialmente na apojadura (pode ser adaptado com fraldinhas, não tem necessidade de comprar)
  • Para evitar o atrito com o tecido e não abafar a pele (prevenindo fungos), o ideal é fazer rosquinhas com os paninhos de boca. Se preferir, você pode comprá-las já prontas. Não utilize conchas!
  • Absorvente de seios (evite usá-los por muito tempo, pois a umidade pode favorecer a proliferação de fungos)
  • Pomada de lanolina de qualidade, para ajudar a cicatrizar eventuais feridas (em muito pouca quantidade, e somente se houver ferida, não há indicação para uso preventivo)
  • Caso tenha mamilos planos ou invertidos, pode usar um evertor de mamilos. Não há necessidade de fazer nenhum preparo nos mamilos durante a gestação!

Enxoval da mãe

  • Travesseiros para dormir de forma confortável na gestação. Além da cabeça, recomendo colocar mais um entre as pernas, um para abraçar, e mais um menorzinho apoiando a barriga (importante: não use com o recém-nascido, não é seguro oferecer travesseiros aos bebês antes dos 2 anos de idade)
  • Comida congelada

Móbiles e brinquedos

Espelho de acrílico e barra de apoio montessorianos. Acervo pessoal. Reprodução proibida.

Não adianta querer encher o bebê de estímulos visuais e sonoros, principalmente no início. Eles precisam focar a atenção naquilo que têm capacidade, e ter estímulo nas habilidades que estão desenvolvendo a cada etapa

Por exemplo, nas primeiras semanas eles se interessam muito por contraste e não têm a visão muito definida. De que adianta oferecer brinquedos multicoloridos e cheios de músicas, não é mesmo? Seguem algumas sugestões:

  • Tapete de EVA ou PVC para estimular a posição de bruços
  • Barra de apoio para ajudar nas primeiras tentativas de ficar em pé

Outros (opcionais)

  • Bola de pilates/fisioterapia, podem ser úteis nas contrações iniciais, e são muitos úteis para ninar o bebê sentada, especialmente se usado junto com o sling/mochilinha
  • Colar de amamentação, sugerido para ser utilizado pela mãe a partir dos 3 meses, quando os bebês começam a querer agarrar em tudo, levar à boca, coçar a gengiva… Ele deve ser anti-alérgico e atóxico, oferecendo uma opção segura para o bebê se concentrar enquanto estiver no seu colo.
  • Colar de âmbar, esse é um item bastante controverso! As mães que usam relatam menos desconforto nos bebês, especialmente na fase em que os dentinhos começam a nascer. A ideia é que em contato com o calor da pele, o âmbar libera uma substância que ajuda a reduzir as dores. No entanto, ainda não há estudos científicos que comprovem, e ainda há o risco de sufocamento. Caso opte por usar, procure âmbar certificado, utilize preferencialmente como tornozeleira (e não no pescoço), e sempre sob supervisão!

Como participante do Programa de Associados da Amazon, sou remunerada pelas compras qualificadas efetuadas. Você não paga nada a mais por isso, e é uma forma simples de contribuir com o trabalho gratuito que realizo aqui no blog. Para isso basta comprar diretamente pelos links indicados aqui nesse post.